Usar medicamentos ou óleos essenciais

Tempo de leitura: 6 minutos

À medida que a dependência de medicamentos prescritos atinge um nível alarmante, muitas pessoas estão buscando alívio com remédios caseiros naturais e mais seguros. O uso dos óleos vem se mostrando uma ótima opção como medicina alternativa, e a pergunta reverbera: Usar medicamentos ou óleos essenciais?

Usar medicamentos ou óleos essenciais
Usar medicamentos ou óleos essenciais

A aromaterapia, ou o uso de óleos essenciais, ja existem a milhares de anos, quando os antigos egípcios queimavam incenso feito de madeiras aromáticas, ervas e especiarias. Hoje, a prática evoluiu e continua com força total.

Os óleos essenciais são uma maneira fantástica de auxiliar em uma infinidade de problemas, como insônia, náusea, ansiedade, alergias e dor.

Como funcionam os óleos essenciais?

Óleos essenciais é um termo genérico usado para descrever extratos altamente concentrados, destilados a vapor ou prensados ​​a frio de qualquer parte de uma planta, como sementes, flores, frutas, folhas, caules e raízes, que melhoram o físico e psicológico bem-estar.

Os óleos essenciais passam constantemente por inúmeras pesquisas para comprovar seus efeitos, no entanto, milhões de pessoas recorrem à aromaterapia todos os dias, jurando por sua capacidade de tratar doenças comuns de saúde como ansiedade, congestão e dores nas articulações.

Os óleos essenciais têm benefícios psicológicos (afetam a emoção), farmacológicos (afetam a química) e fisiológicos (afetam as funções e processos corporais). As formas mais comuns de usar óleos essenciais são respirando-os (inalação) e aplicando-os na pele (tópico).

Engoli-los é uma opção, mas a ingestão só deve ocorrer sob supervisão direta de um médico ou aromaterapeuta certificado.

Aqueles que usam óleos essenciais topicamente geralmente usam para fins cosméticos ou para tratar a dor. Os óleos são absorvidos através da epiderme (camada superior da pele), movem-se dos tecidos moles para a corrente sanguínea, são transportados para as áreas de tratamento e depois metabolizados no fígado.

A maioria dos usuários de óleo essencial os inala para sentir seus efeitos psicológicos, como alívio do estresse. Quando inaladas, as moléculas são distribuídas no sistema respiratório, mas foi demonstrado que uma quantidade afeta nosso cérebro.

Quando é encaminhado ao nosso cérebro, identificamos o cheiro e, temos uma resposta emocional a esse cheiro, em estudos com animais, foi demonstrado que a inalação tem um efeito mais rápido de distribuição das propriedades sedativas de certos óleos no corpo.

As reações psicológicas aos óleos essenciais tendem a ser subjetivas, pois os aromas podem significar coisas diferentes para pessoas diferentes.
Embora os efeitos de certos óleos estejam ligados à história de uma pessoa, existem algumas tendências nas quais os óleos são mais benéficos para objetivos diferentes.

Os tipos mais comuns de óleos essenciais e seus usos?

  • Bergamota: cura da pele e redução da ansiedade
  • Camomila: resfriado, febres e náuseas
  • Cravo: dentário e analgésico
  • Eucalipto: analgésico tópico e descongestionante
  • Olíbano: intensificador de humor e redutor de estresse
  • Lavanda: calmante e induz o sono
  • Limão: um limpador e desinfetante doméstico natural
  • Orégano: cura da pele
  • Hortelã-pimenta: prevenção de resfriado e gripe e reforço de energia
  • Alecrim: saúde da pele e do cabelo e dores nas articulações

É importante pesquisar o nome botânico, o número do lote e o relatório de pureza correspondente antes de comprar uma marca específica de óleo essencial.

Como você usa óleos essenciais?

As maneiras mais seguras de usar óleos são diluí-los para uso tópico ou difundi-los para inalação direta. Ao usar topicamente, os óleos essenciais devem sempre ser aplicados com uma substância de barreira (como um óleo, loção ou gel de aloe vera).

Se for usado em um banho, é ainda mais importante misturar primeiro os óleos com uma substância transportadora, pois óleo e água não se misturam.

A aplicação de óleos essenciais na planta dos pés é a melhor maneira de absorver as propriedades. Aplicar óleos na parte superior dos pés, braços, pulsos, pescoço e atrás da orelha geralmente produz resultados melhores e mais consistentes para a maioria das pessoas.

Para aqueles que inalam óleos essenciais, recomenda-se o uso de um difusor sem água ou à base de água. Os difusores sem água são ótimos para quem tem problemas respiratórios ou estados imunocomprometidos, pois a eliminação da água reduz o risco de distribuição de bactérias transmitidas pela água.

Usar óleos essenciais no lugar de medicamentos ?

O uso de óleos essenciais nunca deve ser usado no lugar de qualquer medicamento sem a supervisão adequada de um médico. No entanto, eles podem ser usados ​​para complementar e auxiliar no seu tratamento.

Os óleos essenciais são seguros?

Na maioria das vezes, se usados ​​corretamente, os óleos essenciais são seguros. Mesmo óleos de baixa qualidade são seguros para uso, embora possam ser menos eficazes.
No entanto, os óleos essenciais apresentam alguns riscos, que podem ser evitados seguindo estas etapas:

  • Se ingerir óleos essenciais, faça-o somente sob a supervisão direta de um médico ou aromaterapeuta certificado.
  • Se usar óleos topicamente, primeiro teste-os misturando algumas gotas com um óleo transportador (como óleo de coco), aplicando em uma pequena área e observando uma reação na pele.
  • Alguns óleos essenciais, como a bergamota, podem causar sensibilidade na pele quando expostos à luz solar direta. Esteja ciente dos possíveis efeitos colaterais.
  • Tenha cuidado ao usar óleos essenciais perto de crianças, pois muitos óleos não são considerados seguros para crianças menores de 5 anos. Alguns óleos podem causar problemas físicos e respiratórios em corpos ainda em desenvolvimento.
  • Nunca aplique óleos diretamente em um animal e sempre pergunte a um veterinário antes de usar óleos essenciais em um animal de estimação.
  • Consulte um aromaterapeuta certificado para descobrir os óleos que funcionam melhor para você e para determinar sua segurança e efeitos colaterais.
  • Os óleos essenciais e a aromaterapia são altamente individualizados e podem afetar a todos de maneira diferente, saiba que se há um único óleo que não é apropriado para você, existem vários outros que podem ser usados ​​com os mesmos benefícios.

Os medicamentos não podem e nem devem ser substituídos por medicamentos prescritos, pois os óleos essenciais atuam como auxiliares e entram como medicina alternativa para tratamentos já existentes, agindo com eficácia física e emocionalmente.

Portanto vale muito a pena incluir óleos essenciais no seu dia a dia e usar a natureza e seus benefícios a seu favor, contribuindo para sua saúde, bem estar e qualidade de vida.

Para saber mais sobre óleos essenciais continue nos acompanhando aqui no site e através das nossas redes sociais.

Obrigada e até a próxima!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *